Hoje: 13 de Dec de 2017

RC chama Cartaxo para o debate e diz que PMJP é gerida para buscar meia duzia de votos para quem governa

O governador Ricardo Coutinho respondeu com gosto as críticas disparadas pelo prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), contra a sua gestão. Em entrevista concedia esta semana, o socialista acusou o prefeito de governar João Pessoa pensando na eleição e se propôs a debater com ele as políticas públicas adotadas pelo governo e pela prefeitura na área da educação.

“No dia que o prefeito quiser debater com seriedade alguma coisa e compreender o que significa educação, qual é o papel de educação, como está sendo tratada no estado e compreender como está sendo no município aí eu terei a condição e o maior prazer de fazer um amplo debate sobre política pública, investimentos, o que se quer da educação e sobre resultados concretos”, disse o governador.

Ricardo ainda comparou os discursos de Cartaxo aos de antigos jogadores de futebol e colocou em cheque a competência do gestor. “É papo de jogador de futebol de 50 anos atrás que dizia o ‘obvio ululante’ e não conseguia expressar credibilidade, raciocínio lógico que transmita a exata noção da compreensão dos problema que afetam a população”, completou.

Para o governador, Cartaxo critica sem conhecimento de causa e por isso não teria capacidade de apontar para onde vai especificamente suas críticas. “Se ele me dissesse qual é a crítica eu até respeitaria, mas Cartaxo tem uma característica muito grande, ele é o político da frase feita e decorada. Ele não tem conteúdo nenhum. Se você perguntar qual é crítica ele não vai sair do canto”, disse, ao disparar críticas contra a educação do município: “O que ele fez no ensino fundamental? Não tem nada. Ele conseguiu fazer duas escolas com recursos federais. Eu não tenho agenda para inaugurar reforma em escolas”, comparou.

O socialista também ironizou os discursos do prefeito em viagens ao interior do estado: “Ele não tem um foco porque não tem conhecimento, não estuda, não quer conhecer as coisas. Ele acha que vai ali num município e no outro fazer uma ‘criticazinha’, dizer que a segurança precisa de investimentos. Que coisa mais ‘obvio ululante’. A vida precisa de mais investimentos, sendo que um gestor tem que dizer de onde vai tirar e que caminhada será feita”, disse.